“strawberry fields forever” do começo ao fim

13jan12

olha que lindeza esse troço chamado internet. alguém resolveu organizar todas as demos* de “strawberry fields” em ordem crononológica para contar o processo de feitura da música.

é sabido que lennon começou a compor a música na espanha durante as filmagens do longa “how i won the war”, de 1966, no qual ele faz uma participação como ator. no entanto, o vídeo especula, com imagens do lennon tocando o que parece ser a introdução da música, que ele já vinha remoendo a canção desde 1964, durante a primeira turnê dos beatles pelos eua.

a partir daí, as demos mostram que ao voltar para a inglaterra lennon começa, em casa, a experimentar andamentos e instrumentos diferentes para dar um clima mais psicodélico e onírico à canção até consolidar a idéia por trás da letra.

já em abbey road, ele mostra a música para a banda, que começa a pirar: botam guitarras, tiram guitarras, mudam o tom e a melodia até que o ringo cria aquelas viradas de bateria que realmente consolidam “strawberry fields forever” como, dizem alguns (eu não), a melhor música do john lennon.

por fim, fica a cargo do george martin botar a cereja no bolo quando ele resolve fazer uma versão orquestrada e com andamento mais rápido. ainda insatisfeito, john lennon opta por juntar as duas versões e criar um épico. martin então liga o foda-se e pira na batatinha: bota a fita de trás pra frente, junta as duas versões, insere mais overdubs aqui e acolá e pronto, nascia ali um clássico.

no livraço “sgt pepper’s – um ano na vida dos beatles e amigos” (recomendo demais), o autor clinton heylin explica porque a eterna insatisfação de lennon com “strawberry fields”, que foi mixada e remixada várias vezes (prática que os beatles sempre evitaram. naquela época a banda tinha uma regra: não mexer mais nas músicas que já estavam “prontas”). reproduzo um trechinho abaixo:

“quanto mais pessoal fosse o assunto, menos lennon parecia propenso a incluir mccartney no processo de composição. nesse sentido, ele rompia com seu passado de fab no momento exato em que reexaminava a infância conturbada de uma alma sem afeto. em “strawberry fields”, era evidente que lennon buscava identificar a intensa sensação de pertencer a outro mundo, que revivera em recentes viagens de ácido em um tempo e espaço específicos: a liverpool do pós-guerra e o orfanato local.

john lennon“strawberry fields” é minha primeira tentativa de expressar esse sentimento. o segundo verso diz: ‘no-one i think is in my tree’. bem, o que tentei dizer nesse verso foi: “ninguém é tão moderno quanto eu, portanto devo ser um louco ou um gênio”. é o mesmo problema que eu tinha com 5 anos: “tem algo errado comigo porque parece que eu vejo coisas que outras pessoas não vêem. e isso é assustador quando se é criança, porque não sobra ninguém com quem se relacionar. por isso eu pertencia a um clube exclusivo que enxerga o mundo nesses termos. o surrealismo é uma realidade para mim. a visão psicodélica é uma realidade para mim, e sempre foi”. [1980]

assista ao vídeo e chape:

* estas demos presentes no vídeo foram lançadas em “strawberry lane”, um cd pirata duplo da secret trax, que também contém as mixagens alternativas de “penny lane”.



2 Responses to ““strawberry fields forever” do começo ao fim”

  1. 1 julia

    pra mim, o maior cantor e compositor da era moderna.
    .


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: